All posts by Diogo Nunes

ceo-card

Depois da faculdade… porque não uma startup?

Tenho seguido com o crescimento da startup alemã 6wunderkinder. Porquê o ’6′? Porque é o sonho de seis pessoas tornado realidade. Esta startup foca-se em criar software (Wunderkit) que melhore a produtividade dos seus utilizadores.

Um dos colaboradores – John Doe – escreveu um artigo enriquecedor pelas suas experiências. Ele começou como estagiário (“support intern”) e foi subindo para “QA technician”, depois “Community Manager”, até “Product Marketing Manager” de um produto com 2.2 milhões de utilizadores. Essa era a sequência natural do seu esforço e dedicação.

Aqui ficam as principais ideias/experiências:

1. DON’T FOLLOW YOUR DESTINY, BUILD IT.

If my degree couldn’t bag me a career, I wanted to make my own. I wanted to create the next big thing. And what better way to get a crash course in conceptualizing, building and monetizing a product or service than to join a startup.

2. THINK DIFFERENT. LITERALLY.

So you studied audio production. So what?! Aside from your core education, what else have you learnt? What do your friends say you’re good at?

3. START AS AN INTERN.

Internships are great. They’re your gateway into a world of innovation and creation. If you’re delving into an area you’re not overly comfortable with, it’s also a great way to hit the ground running and get up to speed with the company you choose. The goal here? To prove yourself. Learn as much as you can, get involved with discussions, and do a great job – whatever it is.

4. PLANT SOME SEEDS, WATCH THEM GROW.

Start letting others know that you’re up for new challenges, and take them. I began at 6Wunderkinder as a support intern. I then became a QA technician. Then a Community Manager. Today I’m Product Marketing Manager for our collective 2.2 million users. How I did this isn’t rocket science. I asked for these things. Take a new position after your internship, live and breathe it, excel in it, and ask for more. You’ll be rewarded.

5. MEET AND GREET EVERYONE.

One thing we’re all capable of is talking to people and forging friendships. The people you meet during your time at a startup are people that can help you with many things in the future. ’6′ wunderkinder is just that – six friends that wanted to start something incredible. Keep attending networking meet ups, keep emailing fellow startups, keep tweeting your favorite founders. The friends you make here are your friends for life.

6. THE WORLD IS YOUR OYSTER.

I’m still learning. I have a way to go yet. But I know after years of hard work and the will to learn new things I’ll be ready to take the next step. Whether that’s moving onto something new, or building my own thing. The things we use every day started as simple ideas, at the hands of people that were determined to see them through. 

workload_produtive

Produtividade… na carga horária

Este é um precioso diagrama de fluxo (flowchart) que apresenta as soluções para os principais problemas que possas ter com a tua carga horária.  Por exemplo, tens demasiadas coisas que te distraem quando estás a trabalhar? Sugestões: usar o Evernote ou ver o vídeo “Getting Things Done”. Na versão interativa, os círculos amarelos levam-te aos sites das ferramentas, os vermelhos apontam para vídeos e os azuis apresentam artigos.

Se clicares na imagem vais ter à versão interativa (original de Simply Business)

shy_face

O porquê da timidez e como a vencer

Porque somos tímidos?

Shyness is not genetic. At least it is not proven to be. There is no gene for it. It’s my belief that it’s cultivated within us, by environment, by family and just dumb luck.

O ambiente em que vivemos e as experiências que vamos acumulando moldam a nossa personalidade e tornam-nos tímidos (introvertidos) ou confiantes (extrovertidos). Se na escola o falhanço for ridicularizado então desde cedo as crianças que erram vão reprimir-se e evitar a todo o custo fazer algo que não têm a certeza de ter êxito. Se por outro lado, as crianças (e todas as pessoas) forem incentivadas a experimentar, a falhar e a aprender, teremos jovens e adultos muito mais confiantes, versáteis e pró-ativos.

Why do we get so caught up in this “too much thinking?” What’s the worst thing that could happen? The answer is failure. Most of us are so afraid of failing that we don’t even risk it. And what’s worse, risk and rejection become something to avoid at all costs. A habit is formed. We close doors that may lead to opportunities and stop putting ourselves out there for other people to respond to.

Como vencer a timidez?

… confidence (…), like willpower or intuition, (…) can be practiced, exercised and strengthened, like a muscle. But just like any physical exercise, it’s always hard and takes constant work. And, more importantly, constant awareness.

My own definition of confidence is “being there.” This means being in the moment and acting with intention, not distracted by second thoughts or being “in your head.” Not listening to your inner critics or assuming what others are thinking of you, judging or presupposing “their” reaction instead of just moving forward—and confidently.

Vencer a timidez envolve persistência e empenho. É preciso esquecê-la por momentos e arriscar! Declara-lhe guerra em todas as oportunidades. Tens medo em falar em público? Oferece-te para dar um workshop! Tens medo de falar para plateias? Oferece-te como orador! Tens medo de falhar? Arranja um grupo de amigos e cria um projeto! É disto que estamos a falar, de vencer um medo, um medo irracional que limita o teu potencial. Liberta-te!

Fonte: http://the99percent.com/articles/7164/Op-Ed-Confidence-vs-Shyness

meeting_produtive

Produtividade… nas reuniões

Este é um precioso diagrama de fluxo (flowchart) que apresenta as soluções para os principais problemas que possas ter com reuniões. Por exemplo, achas que gastas demasiado tempo a deslocares-te para reuniões de trabalho com os teus colegas? Sugestão: Google+ hangout. Na versão interativa, os círculos amarelos levam-te aos sites das ferramentas, os vermelhos apontam para vídeos e os azuis apresentam artigos.

Se clicares na imagem vais ter à versão interativa (original de Simply Business)

collaboration_produtive

Produtividade… em trabalho colaborativo

Este é um precioso diagrama de fluxo (flowchart) que apresenta as soluções para os principais problemas que possas com o trabalho colaborativo. Por exemplo, tens dificuldade em acompanhar longas cadeias de emails? Sugestão: usar a ferramenta Trello. Na versão interativa, os círculos amarelos levam-te aos sites das ferramentas, os vermelhos apontam para vídeos e os azuis apresentam artigos.

Se clicares na imagem vais ter à versão interativa (original de Simply Business)

quote

Como usar citações corretamente

Dizer por palavras nossas o que outro já disse é plágio! Deves sempre avisar que estás a escrever com base na opinião de outra pessoa. Por isso, para evitares problemas e para o teu texto ficar devidamente sustentado deves usar citações. De seguida vou apresentar-te os casos mais frequentes:

Caso 1: Imagina que leste um livro e que precisas de usar excertos do livro para sustentar as tuas opiniões.

“Se estiveres a citar diretamente uma segmento de texto do autor do livro deves usar esta forma (entre aspas curvas).”

Caso 2: No livro que leste, o autor já está a sitar uma outra pessoa.

«Nesse caso deves substituir as aspas curvas por aspas angulares, tal como foi usado neste exemplo.»

Caso 0: Chamei-lhe caso zero porque pode ser aplicado em conjunto com o caso 1 ou caso 2.

“Se o excerto de texto que vais citar ocupa mais de três linhas então deves destacá-lo do texto. Neste caso as aspas são curvas porque se supõe que estou a citar um autor diretamente (caso 1), mas também era possível estar a citar outro autor (caso 2) e nesse caso já usaria as aspas angulares.

Para terminar é importante salientar que as citações devem ser sempre feitas na sua língua original. Se quiseres podes fazer a tua tradução livre mas esta deve aparecer como nota de rodapé.

How to develop Self-Confidence and Influence People by Public Speaking

How to Develop Self-Confidence and Influence People by Public Speaking

Para aqueles que têm dificuldades fazer apresentações ou que querem simplesmente melhorá-las este livro é o indicado. Bem organizado, com um resumo no final de cada capítulo, é a ferramenta ideal para perceber o que está a falhar e o que deve ser feito para melhorar. Aconselho vivamente.

How to Develop Self-Confidence and Influence People by Public Speaking” escrito por Dale Carnegie

 

 

1005207-87-a-menina-do-vale

Um livro que conta a experiência de Silicon Valley

Em menos de um mês, o livro “A Menina do Vale”, escrito pela brasileira Bel Pesce, 24 anos, foi descarregado gratuitamente por 350 mil pessoas, e o vídeo sobre o livro já ultrapassou um milhão de visualizações. “O meu objetivo é transmitir algumas das coisas que aprendi em Silicon Valley”, explica Bel, que se formou no Massachusetts Institute of Technology (MIT), já trabalhou na Microsoft, Google e Deutsche Bank e criou várias startups. A mais recente é a Lemon, uma aplicação que ajuda a gerir finanças pessoais e que, em 3 meses, já conta com mais de 1 milhão de utilizadores. O seu livro tem 18 capítulos e é distribuído gratuitamente no site de Bel .

Algumas das dicas que Bel partilha no livro:

  • O valor do plano de negócios é obrigá-lo a pensar na ideia. Para o escrever precisa pesquisar o mercado, compreender os concorrentes, testar algumas das hipóteses e avaliar diferentes estratégias para o negócio. Depois disso, tem de analisar os planos de um ponto de vista financeiro. Tudo isto ajuda-o a compreender melhor o seu negócio.
  • Só não erra quem não corre riscos.  Como empreendedor terá de aprender a lidar com alguns fracassos. Quando tem verdadeira paixão por aquilo que está a fazer, as falhas não o derrotam – antes aprende com elas.
  • Escolha pessoas com quem consiga trabalhar dia e noite. Precisa confiar nos seus sócios de olhos fechados. Uma startup é como um casamento: você passará por momentos maravilhosos juntos com a sua equipa, mas também terá que sobreviver a tempos tenebrosos. Precisa de escolher pessoas com quem consiga trabalhar longas horas, sempre com respeito, admiração e confiança.
  • Nunca contrate alguém abaixo dos seus padrões. Além de ter paciência a validar o seu produto, também precisa de ser extremamente paciente ao criar a sua equipa inicial. Pode demorar tempo até encontrar o sócio idea
    l e contratar os seus primeiros colaboradores. Não se apresse. Se quiser acelerar o processo, dedique mais tempo à procura dessas pessoas.
  • A humildade ajuda a crescer, a arrogância atrasa. Ser humilde significa ser honesto consigo próprio. É ter consciência de que pode sempre melhorar e tirar o máximo proveito de cada uma das suas experiências. A humildade faz com que você cresça. A arrogância só o atrasa.
  • Fale com quem já passou pelo mesmo. Vale muito a pena procurar pessoas que passaram por algo semelhante ao que você está a viver. Encontre-se com essas pessoas, conte-lhes a sua história e alguns dos seus planos. Peça conselhos. Não tenha medo de mandar e-mails para pessoas que você ainda não conhece pessoalmente. Além disso, certifique-se que mantém o contacto e cuida muito bem desses seus mentores.
  • Aprenda rapidamente e siga em frente. As empresas que têm sucesso não são aquelas que criam rapidamente o produto que têm em mente, mas as que aprendem o mais rapidamente possível. Muitas vezes, são necessárias várias tentativas até encontrar um produto que os clientes realmente queiram. O segredo é aprender rapidamente com cada tentativa e seguir em frente.
  • A paixão tira-o da zona de conforto. Quando está apaixonado pelo que faz, de repente tem uma energia infinita para trabalhar dia e noite. É uma sensação quase mágica. As startups exigem trabalho. Muitas vezes, precisa usar toda a sua energia nastartup - passará o dia todo com a sua equipa, a tentar aprender o máximo sobre vários tópicos. A paixão mantém-no focado na sua missão de longo prazo e também torna o trabalho divertido.
  • Foque-se no projeto. É fascinante como um grupo de pessoas apaixonadas pelo que faz pode transformar ideias em produtos que acabam por mudar o mundo para sempre. Algumas pessoas pensam que abrir uma empresa é algo glamoroso.
    Desculpe desapontá-lo: não é. Geralmente, dorme-se menos do que pensou ser humanamente possível, come-se pessimamente e passa-se mais tempo no escritório do que em qualquer outro lugar. No entanto, essa também pode ser a melhor época da sua vida, especialmente se você estiver a construir algo que realmente o entusiasma.
  • Ouça os clientes. É importante ler mesmo os comentários mais duros. Ver que as pessoas dedicam parte do seu tempo para ajudar a criar um produto melhor é sensacional e deve incentivá-lo a trabalhar o máximo possível para oferecer aos clientes uma boa experiência.
  • Descubra o que lhe dá pica. Encontre as pequenas coisas que o energizam. Essas coisas, muitas vezes extremamente simples, podem fazer uma enorme diferença no que consegue produzir a cada dia. Tempos difíceis, de repente, não parecerão tão difíceis.

Fonte: http://expresso.sapo.pt/o-grande-exito-de-um-livro-sobre-silicon-valley=f731184#ixzz1x1igbrhj

stay focusd

Não te distraias enquanto navegas na internet

És daquelas pessoas que vai ver o email de minuto a minuto? Ou assim que recebes um link para um vídeo do youtube vais logo vê-lo? Quanto tempo passas nas redes sociais, fazes alguma ideia? É-te difícil de resistir a estas tentações. Pois bem, para te facilitar a evitar distrações podes usar o plugin Stay Focusd.

E então o que faz esta ferramenta? Basicamente dizes-lhe que sites são distrações e qual o tempo máximo que aceitas distrair-te por dia nesses sites. Assim de cada vez que os visitas o Stay Focusd começa a contar o tempo que demoras.

Quando o tempo limite for ultrapassado o Stay Focusd simplesmente bloqueia-te o acesso ao site e mostra-te a mensagem abaixo: “Não devias estar a trabalhar?”

Para aqueles que se distraem com outras coisas que não o browser ou que não querem/podem instalar mais um plugin no browser podem simplesmente usar a técnica do “post-it motivador“.

write

Quando escrever números por extenso num texto

A maioria das pessoas acha que os números num texto formal devem ser escritos sempre por extenso. Na realidade, existem algumas regras que determinam se há necessidade de se escrever o número por extenso ou se é possível escrever o algarismo.

Seguem as principais regras:

  • Todos os números abaixo de menores que 10 são escritos por extenso.

Ex: Das 10 máquinas compradas cinco apresentaram problemas.

  • Exceções: unidades de medida, idade, tempo, datas, números de páginas, percentagens, valores, proporções.

Ex: 2 metros, 32 anos, 8h00, 16 de novembro, Página 4, 51%, 50€

  •  Nunca mistures algarismos com números por extenso.

Ao invés de: Ao sexto dia do lançamento, 20% do novos produtos ainda não estavam distribuídos.
Escreve: Ao 6º. dia do lançamento, 20% do novos produtos ainda não estavam distribuídos.

  •  Os grandes números devem ser escritos na forma mais familiar ao leitor do texto que estás a escrever.

Qual será mais familiar: 185.000.000, 1,85 x 10^8 ou 185 milhões?

  • Se os últimos cinco ou seis dígitos forem zero substitui-os por uma palavra.

3 milhões (e não: 3.000.000)

  •  Decimais e frações não devem ser escritos por extenso.

0,39 (e não: zero vírgula trinta e nove)
¾ (e não: três quartos)

  •  Quando apresentares números em colunas, alinha-os sempre à direita.

850.748
138
25.894
1.937
18

  • Não exageres no grau de precisão, no máximo, duas decimais.

3,14 (e não 3.1415)

  •  Se o número é uma aproximação, menciona-o.

Aproximadamente 13 milhões
Cerca de 30 metros

  • Não comeces uma frase com números.

Quatro quintos do território (e não: 4/5 do território)
Três mil e quatrocentos euros foi o custo (e não: 3.400€ foi o custo)

  • Só se usa a forma 02 (e não: 2) em documentos de natureza legal, fiscal ou jurídica.

Fonte: http://www.escreverbem.com.br/pt-br/num_extens.html

A plus apple

9 dicas simples para um bom aproveitamento na faculdade

Antes de mais é preciso dedicação. Aqui fica o que fiz e aconselho para ter um bom aproveitamento na faculdade:

  • Calendário onde marcava todos os prazos (entregas de projectos, testes, etc.) e anotava o que esperava fazer em cada dia.
  • Nada de jogos (desinstalei-os), muito pouco de redes sociais (menos de 30 min/semana). Neguei participar em qualquer jogo online e/ou social da moda.
  • Nada de vídeos ou canais de Youtube. Para todos os vídeos ou notícias que me pareciam interessantes eram guardados como “favoritos/marcadores” numa pasta Ler+Tarde. Quando fazia uma pausa via um desses vídeos ou notícias (leitura diferida).
  • Prioritizar cadeiras: aquelas que achava inúteis ou desinteressantes recebiam apenas o essencial de esforço horas/energia. Essas horas poupadas eram investidas nas outras.
  • Grupos de trabalho VS convívio. Tentei estar em grupos em que todos estão interessados e/ou possuem os mesmos conhecimentos. Trabalho é trabalho, conhaque é conhaque.
  • Começar trabalhos importantes com antecedência. Sempre que necessário ir a aulas de apoio com os professores.
  • Ir sempre às aulas e estar concentrado durante esse tempo (caso contrário mais vale não ir). Tomar notas que complementem os slides.
  • Dormir o necessário (depende de cada um, eu dormia pelo menos 7h) (e sim, acordava às 6h da manhã todos os dias).
  • leitura recomendada deve ser consultada e não lida, ou seja deve ser lida à medida da necessidade. Não ler tudo por antecipação.