All posts by Inês.Castelo

Está, actualmente, a terminar a Licenciatura em Redes de Comunicações (LERC) e, paralelamente, a tirar o Mestrado em Sistemas de Informação Empresariais no TagusPark. Gosta de fotografia, passear e estar com os amigos.
IST_2012_simbolo_thumbnail

RIC – Redes Integradas de Comunicações

Dificuldade

Média

Carga horária

Gastei no total  60h (em média: 2,5h/semana)

O que se aprende?

É uma cadeira de continuação a Redes de Computadores. Aprenderás os conceitos de comutação e transmissão associados às redes digitais de comutação de voz e das redes com integrações de serviços. Conhecerás os protocolos utilizados nas Redes Digitais com Integração de Serviços (RDIS) e nas redes ATM. Nos laboratórios irás aprender as bases para desenvolver um projeto que utiliza as várias tecnologias RDIS, ATM e IP.

Devo comprar o livro?

Não é necessário, os materiais fornecidos (slides das teóricas e exercícios práticos) são mais que suficientes para perceberes a matéria dada.

Dicas

Não deixes de ir às aulas teóricas, pois aí dás os fundamentos para poderes realizar os laboratórios e o projeto (caso tenhas) com sucesso. É importante que percebas com clareza os exercícios que são realizados nas aulas teóricas (dado que não há aulas práticas, apenas de laboratório), pois se tal não acontecer, será muito mais difícil realizar o exame com facilidade.

Recursos

Teóricas, exercícios, testes e apoio ao projeto @SHELF (cortesia: NEERCI)

IST_2012_simbolo_thumbnail

RC – Redes de Computadores [LETI]

Dificuldade

Média-baixa

Carga horária

Gastei no total  50h (em média: 2h/semana)

O que se aprende?

Aprenderás, obviamente, os conceitos básicos e fundamentais das redes de computadores e da Internet. Também estudarás inúmeros protocolos básicos e ainda segurança em redes. Nos laboratórios irás aprender a configurar redes com routers e aplicar os vários conceitos dados nas aulas teóricas.

Devo comprar o livro?

Não é necessário, os materiais fornecidos (slides das teóricas e exercícios práticos) são mais que suficientes para perceberes a matéria dada.

Dicas

Não deixes de ir às aulas teóricas, pois aí dás os fundamentos para poderes realizar os laboratórios e o projeto (caso tenhas) com sucesso.

Recursos

Teóricas, exercícios e testes @SHELF (cortesia: NEERCI)

IST_2012_simbolo_thumbnail

MC – Matemática Computacional

Cursos

LETI & LEE

Dificuldade

Média-baixa

Carga horária

No meu caso, gastei no total  48h (em média:  2h/semana)

O que se aprende?

Nesta cadeira, aprendem-se os conceitos básicos do cálculo numérico, resolução de equações e sistemas recorrendo a inúmeros métodos (de resolução de sistemas) e ainda resolução numérica de equações diferenciais.

Devo comprar o livro?

Não é necessário o livro, mas recomendo a sebenta.

Dicas

É importante ires às aulas, pois é uma cadeira difícil de perceberes sozinho. Para além disso, usualmente são resolvidos problemas que te poderão ajudar a estudar para o teste. Sendo uma cadeira “matemática”, com a prática vem a perfeição. Mas se não perceberes a matéria, aconselho-te a ires aos horários de dúvidas tirar todas as dúvidas, pois se não compreenderes a matéria muito dificilmente conseguirás fazer os exercícios.

Recursos

Página da cadeira

Teóricas, exercícios, testes e exames @SHELF (cortesia: NEERCI)

Videos de Matemática Computacional @ IEEE-IST Academic 

Frustrated college student

Como aumentar o rendimento dos estudos?

Segundo especialistas, cada estudante desenvolve uma maneira de estudar diferente, no entanto nem todos alcançam o objetivo esperado. Isso acontece devido à falta de certos hábitos de estudo.

Analisando as várias formas de estudo e os resultados dos testes, chegou-se à conclusão de que os estudantes não estão a tomar os devidos cuidados na hora de estudar, impossibilitando a compreensão da matéria e, consequentemente, os bons resultados nos testes.

Para que isso não te aconteça, segue-se uma pequena lista de coisas que podes fazer tanto nas aulas, como na hora de estudares. Espero que estas dicas te sejam ajudem a melhorar o teu rendimento escolar:

Dorme o suficiente

Uma boa noite de sono é importante para manter o corpo e a mente sãos.

Mantém uma dieta saudável

Segundo uma pesquisa efetuada pela universidade de Chicago (EUA), alto teor de carbo-hidratos, fibras e alimentos de digestão lenta, como aveia, são os melhores para dar resistência e velocidade de raciocínio antes de qualquer teste/exame.

Pratica exercício físico

Tal como uma boa noite de sono, o prática regular de exercício físico é importante para manter um corpo e mente saudáveis.

Não queiras fazer tudo ao mesmo tempo

Muitos alunos insistem em estudar enquanto ouvem música ou enviam mensagens de texto aos amigos, uma pesquisa realizada pela psicóloga Nicole Dudukovic, da Trinity College (EUA), mostra que ser uma pessoa multitask pode atrapalhar, pois no meio de tantas distrações as informações são pouco retidas pelo cérebro.

Não desperdices as aulas

Tenta não te desligar das aulas, mas mais importante não as encares como um desperdício de tempo. Se pensares assim isso irá fazer com que não tires o maior proveito possível delas e com que elas se tornem ainda mais insuportáveis.

Sê curioso

Faz todas as perguntas para que tires o maior proveito das aulas e para que não fiques com a matéria “tremida”.

Faz anotações e resumos

Desta forma, aumentas as hipóteses de captares a matéria em questão de uma forma clara. Não queiras escrever rapidamente tudo o que o professor diz, deves esperar para escrever as anotações apenas quando já compreenderes completamente o assunto em questão. Para além disto, tenta relacionar a matéria com assuntos já dados anteriormente, de modo a teres uma ideia mais consolidada dos conteúdos.

Não estudes tudo de uma vez

Organiza os teus estudos. Isso irá permitir que te lembres de tudo o que aprendeste e a informação irá manter-se na tua memória  a longo prazo. Para além disso, tenta fazer pausas breves para espaireceres enquanto estudas. Desta forma irás aumentar o teu rendimento de estudo.

Existem várias técnicas para estudar de forma eficiente, uma delas é a técnica Pomodoro. O professor Paulo Carreira explica-te quais as suas vantagens e como a deves usar em apenas 6 minutos neste vídeo.

Testa-te várias vezes antes do exame

Isto ensina o cérebro a recuperar e aplicar o conhecimento memorizado. Na noite antes do exame, revê as matérias mais difíceis – segundo Dan Taylor, especialista em sono da Universidade do Norte do Texas (EUA), esta abordagem torna mais fácil o processo de memorização. Este ainda acrescenta que não devemos acordar mais cedo para estudar, pois uma boa noite de sono também auxilia a memória.

Procura ter um estudo regular

Não deixes tudo para a última. É mais fácil se fores decorando aos poucos a matéria e, no fim, fizeres uma revisão geral.

Estuda num sítio agradável

Que seja arejado, com bastante luz e onde te sintas bem.

Faz um horário de estudo

Esta técnica não resulta com todas as pessoas, mas vale a pena o esforço.

Premeia-te com os sucessos

E castiga-te com os insucessos. Esta é uma boa motivação. Se o fizeres, poderá dar-te uma maior vontade de estudares e alcançares os objetivos.

Nunca desistas

Isto é o mais importante! Por mais difícil que seja, sem trabalho nada se consegue.

 

Fontes:

Chegada à faculdade

Entrei na faculdade e agora?


Here is the world. Beautiful and terrible things will happen. Don’t be afraid. - 
Frederick Buechner

A transição do secundário para a faculdade é uma fase crucial na vida do estudante. Este é, não só, um período de aumento de autonomia e liberdade, mas também um período onde aumenta o seu sentido de responsabilidade e autodisciplina.

Chegada à faculdade

Neste sentido, um estudante tem de lidar com inúmeras tarefas que até ao momento lhe eram desconhecidas:

  • procurar alojamento;
  • procurar emprego, part-time ou full-time;
  • gestão de dinheiro;
  • lidar com uma nova vida social.

Mas a maior dificuldade está no facto de efetuar todas estas novas tarefas num novo ambiente, longe da sua casa, por vezes com falta de apoio.

Não surpreende que o estudante encare este período com apreensão e ansiedade, isto depois da alegria de ter conseguido entrar para a faculdade (alegria que pode tingir todo o primeiro ano de frequência da faculdade). Há também os estudantes que encaram o primeiro ano como um período de descanso, assumindo uma postura mais descontraída, fascinando-se com tudo o que se passa à volta deles.

O insucesso académico muitas vezes dá-se devido à postura que o estudante tem, pelo que só muito tarde tomam medidas para lidar com este insucesso e nessa altura já a recuperação é mais lenta e mais esforçada.

A verdade é que quando o estudante entra para o ensino superior encontra um ambiente radicalmente diferente do que conheceu durante toda a sua vida estudantil, sendo as diferenças assinaláveis, nomeadamente no que diz respeito à relação professor-estudante, às formas de avaliação e à quantidade de matéria para estudar. O estudante deixa de ter um manual por disciplina, passando a ter uma bibliografia recomendada, que poderá ou não fotocopiar, e que terá de sintetizar.

Os momentos de avaliação reduzem-se a dois, caso o método de avaliação seja por testes, ou um, caso seja por exame, tendo cada um destes métodos uma oportunidade de repescagem. Independentemente do método, a quantidade de matéria a estudar é claramente superior à matéria que era exigida estudar no secundário.

Estudantes que tiveram de sair de casa dos pais, passando a viver em residências ou quartos, são confrontados com um conjunto de dificuldades acrescidas, como a sensação de solidão, saudades de casa, amigos e família e ainda o medo de não se conseguirem “governar” sozinhos.

Os estudantes que conseguirem iniciar este processo de uma maneira positiva estão, de certa forma, mais protegidos contra o insucesso académico ou desmotivação académica.

Dicas:

O que pode então o estudante fazer para se adaptar mais facilmente a este período:

  1. Procurar construir uma rede social forte, tentando fazer amigos na nova instituição de ensino, formando um bom grupo de trabalho, mas sem esquecer os relacionamentos que tinha antes de entrar no ensino superior;
  2. Estimular-se intelectualmente, tentando tirar partido desta fase de crescimento intelectual;
  3. Procurar equilibrar a vida académica com atividades extracurriculares, como saídas ao ar-livre, convívio com amigos, entre outras;
  4. Adquirir hábitos de estudo que envolvam definição de objetivos, gestão de tempo, prazos, organização de apontamentos e identificação de um método de estudo apropriado;
  5. E mais importante, manter uma atitude positiva em relação a todo este processo, a si mesmo, aos outros e ao quotidiano.

Fontes: