Boss

7 razões para não trabalhar por contra de outrem

Ansiar pelo fim do curso para entrar numa grande empresa já não é o sonho de todos os jovens, e ainda bem que assim é. Hoje é cada vez mais fácil, e até mesmo conveniente, procurar alternativas mais desafiantes.

A experiência que se adquire é limitada

Os seus superiores podem não ter muito interesse em que evolua, por várias razões. A primeira é para não lhes dar muito trabalho com perguntas e propostas desafiantes. A segunda, e mais desesperante, é pelo receio de que lhes passe à frente. Além disso, hoje a maioria dos empregos não são sustentáveis a longo prazo. Os cortes de custos atiram, até mesmo os melhores, para o subsídio de desemprego, com muita facilidade.

Os telhados de cristal existem

Quem está no topo jura a pés juntos que isto é coisa do passado, mas a verdade é que nas grandes organizações continuam a existir determinados patamares hierárquicos que indicam o limite a que pode almejar. Qualquer pessoa com espírito empreendedor, que queira superar-se, fazer coisas novas e de maneira diferente, vê-se limitado dentro de estruturas pré-estabelecidas, que a impedem de evoluir.

O salário já não é garantia de nada

Há uns anos, um salário certo era fundamental para comprar casa, carro e até conseguir um empréstimo para lançar uma startup. Hoje, deixou de ter valor. Os bancos preferem o património do cliente como garantia, pois os salários são uma verdade hoje, mas podem não ser no mês seguinte.

A segurança já não existe

O emprego para a vida desapareceu e a ambição romântica de começar a trabalhar aos 18 anos como porteiro num hotel e chegar a diretor geral aos 37 já não passa de um sonho. Já não há empregos seguros. Até os funcionários públicos sentem o perigo por perto. E nas empresas privadas, se as receitas baixam, já não se hesita em despedir diretores e mesmo diretores-gerais. E muitos dos privilégios que se conseguiam em algumas grandes empresas também já foram praticamente extintos.

A carreira é um mito

Hoje somos descritos por Robert Kiyosaki (autor de livros de auto-ajuda e motivação) como hamsters que correm nas rodas das suas gaiolas, sem tempo para refletir no que queremos da vida. O que nos move são as contas para pagar e por isso nunca podemos deixar de correr, mesmo que implique continuar a caminhar para lado nenhum, sem futuro, nem esperança, por falta de tempo para procurar um novo posicionamento estratégico.

Os jovens estão muito à frente

Têm hoje uma capacidade de processamento de informação, de fazer várias coisas ao mesmo tempo e de resolver problemas, que a geração que está no mercado de trabalho tem dificuldade em acompanhar. Há estudos que provam que os recém-licenciados já são fisiologicamente diferentes, com mais matéria cinzenta na parte inferior parietal do cérebro. Com este cenário, é fácil de prever que dentro de 10 anos os jovens estarão muito melhor preparados e ágeis do ponto de vista intelectual, do que a geração atual.

Não tem vida pessoal

A maioria dos empregos exige hoje enormes doses de dedicação, que acabam por sugar toda a energia e tempo, resumindo a vida pessoal a pouco mais do que a família nuclear e os colegas de escritório. Quase não há margem para escolha. A gestão própria do tempo é um dos maiores ativos que tem quem trabalha por conta própria – no início, pode não ter muito tempo livre, por vezes não tem mesmo nenhum, mas é você que decide quando pode parar. E, em última instância, escolheu as pessoas com quem criou um negócio próprio e com quem passará a maior parte do tempo de trabalho.

 

Fontehttp://expresso.sapo.pt/7-razoes-para-nao-trabalhar-por-conta-de-outrem=f724479

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>